O estágio e sua importância no mercado de trabalho

estágio é uma etapa importante para o desenvolvimento da carreira de todo profissional. Mais do que ganhar experiência, ele possibilita para os estudantes conhecimento, competências e uma relação prática da teoria vista em sala de aula. Além disso, o estágio facilita a entrada no mercado de trabalho e garante que o aluno aprenda de maneira mais utilitária os campos de atuação da sua profissão.
Se você desconhece os benefícios de fazer um estágio, confira abaixo como essa experiência de trabalho irá te ajudar a ser um profissional bem sucedido.

Aberto vagas para Professores para interior da área da saúde para 2018.2

 

O IEDUC abriu vagas de empregos para profissionais da área da saúde que tenha interesse em lecionar aos fins de semanas no interior do estado. No total estamos com 25 vagas divididas nas seguintes formações: 10 VAGAS para ENFERMEIROS, 10 vagas para FARMACÊUTICOS e 05 vagas para FISIOTERAPEUTAS de Fortaleza ou cidades metropolitanas para ministrar aulas na Serra de Baturité e Sertão de Canindé aos fins de semana. Iremos da inicio nas lotações e entrevistas com os profissionais a partir do dia 28/05 para lotação de 2018.2.

ENVIE SEU CURRÍCULO ATÉ O DIA 18/05/2018.

Email oficial: grupo.rmf_educacional@hotmail.com

Quanto ganha um Técnico em Enfermagem No Brasil

O Técnico em Enfermagem é o profissional que atua, sob a supervisão de um Enfermeiro, na promoção de ações e cuidados que garantam a saúde e o bem estar dos pacientes.O profissional desta área pode trabalhar em diversos segmentos do setor de saúde, como hospitais, clínicas, consultórios, postos de saúde, ambulatórios e laboratórios.

Com a expansão dos sistemas de saúde público e privado, o mercado para o Técnico em Enfermagem está aquecido, com muitas oportunidades para os profissionais da área.

Não existe um salário mínimo profissional único para Técnicos em Enfermagem no Brasil. O valor irá depender dos acordos firmados entre os sindicatos de cada Estado e os órgãos empregadores.No Brasil, a média salarial de um Técnico em Enfermagem é de R$ 1.825, de acordo com o Guia de Profissões e Salários da Catho.

O Guia indica também que as médias nacionais mais altas e mais baixas são:

  • Máximo: R$ 3.400
  • Mínimo: R$ 724

Por setor, as médias salariais são as seguintes:

  • Órgãos Públicos de Saúde: R$ 2.039
  • Consultórios: média de R$ 1.216
  • Setor Privado de Saúde: média R$ 1.823
  • Setor Administrativo: média de R$ 1.293
  • Sindicatos, Associações e ONGs: média de R$ 1.734

Certificado de Técnico em Enfermagem é valido em todo território nacional,veja como funciona os tramites legais.

Você estudou fora de deu estado ou seu certificado é fora do estado onde mora ou pretende morar?Não se preocupe! você pode atuar sua profissão,basta seguir como manda a lei. A transferência de inscrição entre conselhos de enfermagem pode acontecer a qualquer tempo, sem restrições. Ela se torna necessária quando o profissional de enfermagem se muda para outro Estado e passa a atuar sob a jurisdição de outro Coren.

Para requerer a transferência, o profissional de enfermagem deve procurar o Conselho do estado onde pretende atuar, apresentar sua carteira de identidade profissional, comprovante de residência atualizado e em nome do inscrito, assinar o requerimento de transferência e pagar a taxa relativa ao serviço.

Após este procedimento, será enviado um oficio ao Coren de origem do inscrito, requerendo o envio de seu prontuário. Quando esse prontuário chegar ao ‘novo conselho’, o profissional de enfermagem será comunicado por meio de oficio, para que compareça ao ‘novo Coren’, munido dos documentos necessários para regularização. Esses documentos poderão variar conforme a situação do prontuário recebido.

Caso opte por trabalhar em um outro Estado, o inscrito tem três meses para requerer sua transferência.É importante lembrar que nenhum profissional pode exercer a enfermagem sem o registro no Conselho do estado em que atua. Isso incorre em exercício ilegal, passível de notificação e afastamento.

 

Para mais informações,entre no link divulgado abaixo.

http://mt.corens.portalcofen.gov.br/transferencia_711.html

 

Abertas nesta segunda-feira, 7, inscrições para o Enem 2018 podem ser feitas até 18 de maio

Os estudantes interessados em fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 têm até 18 de maio para fazer suas inscrições, que foram abertas nesta segunda, 7, em todo o Brasil. O pagamento da taxa, no valor de R$ 82, se estende até 23 de maio. As provas serão realizadas em 4 e 11 de novembro, dois domingos, assim como em 2017.

O período para solicitar a isenção da taxa de inscrição e de justificar ausência da edição passada terminou no último dia 15 de abril. Ao todo, 3.818.663 brasileiros solicitaram o direito de não pagar a taxa de inscrição. Destes, 208.588 foram participantes isentos em 2017, que faltaram aos dois dias de aplicação e precisavam justificar a ausência para ter direito a nova isenção. Entretanto, apenas 8.486 apresentaram a documentação exigida e 200.102 declararam não possuir documentos que justificassem a ausência no exame.

Todos os interessados em prestar o exame, isentos ou não, deverão fazer a inscrição entre 7 e 18 de maio. Ou seja, a aprovação da solicitação de isenção não significa que a inscrição está realizada automaticamente. Portanto, para quem se enquadra nos critérios de isenção serão necessárias essas duas etapas.

Novidade – A principal novidade do Enem 2018 é relacionada ao segundo dia de provas, que passará a ter mais 30 minutos de duração para as disciplinas ciências da natureza e suas tecnologias e matemática e suas tecnologias. Agora, os estudantes terão cinco horas para responder às questões.

Redação – A nota da redação, entre zero e mil pontos, respeitará os critérios dispostos no Portal do Inep e na Cartilha do Participante – Redação no Enem 2018, que será publicada posteriormente com detalhamento das cinco competências avaliadas. A correção respeitará a decisão oficializada pela presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Carmem Lúcia, em novembro de 2017, para garantir tranquilidade aos participantes.

A rotina dos alunos do Centro de Ensino Médio 1 de Brazlândia, no Distrito Federal, é uma verdadeira maratona do conhecimento. São aulas regulares, plantões de dúvidas, oficinas de redação e dedicação integral dos participantes. Toda a comunidade escolar está em torno de um objetivo comum: o acesso à educação superior. A realidade dessa instituição é o tema de Educação no Ar, programa produzido pela TV MEC e exibido às 9h50 pela NBR.

Para além do conteúdo regular, o Centro de Ensino Médio 1 investe na autoestima dos estudantes. Com esse empenho e os diferenciais, a escola, que é da rede pública, tem contabilizado muitas aprovações na Universidade de Brasília (UnB) – só no início deste ano, foram 60.

“Muitos alunos vinham conversar comigo, traziam situações, e eu ia respondendo a um por um”, conta o professor Diego Martins. “Eu costumava sempre deixar meu período da tarde, horário de coordenação, para atender aos alunos. Alguns faziam cursinho e vinham aqui perguntar. Então, é sempre trazendo, e sempre incentivando. ”

Assim como Diego, os demais professores estão sempre se atualizando para oferecer a melhor formação aos jovens. Com isso, a qualidade do ensino se aprimora. “Eu falo com toda a propriedade: a aula que dou para esses meninos aqui vai ser a mesma seu for lecionar num cursinho ou numa escola particular, pois que eles merecem”, afirma a professora Waleska Carvalho.

Projetos – O diretor da escola, Vinícius Ribeiro, explica que os bons resultados se devem a vários projetos implantados ao mesmo tempo. Os alunos têm aulas semanais de matemática, química, física e biologia e, a cada 15 dias, os professores frequentam aulas experimentais. Também foi implantado o sistema de cadernos por áreas: humanas, exatas e códigos.

“Quando fazemos esses cadernos, selecionamos as questões similares a provas de vestibulares e ao Enem [Exame Nacional do Ensino Médio]”, conta Vinícius. “Durante os três anos, o aluno entra no ritmo. Quando vai fazer a prova [do vestibular], já tem certa experiência”.

O diretor reforça que a escola sempre alcançou bons índices de aprovação em vestibulares, situação que melhorou com instituição de cotas para estudantes de escola pública. Em 2016, foram aprovados 15 alunos em primeira chamada, em um total de 24 ao longo do ano. Em 2017, 23 alunos em primeira chamada e 60, no total, conquistaram uma vaga na universidade.

“Se tem algum tempo ocioso, a gente está sempre tentando implantar um novo projeto para tentar melhorar a cada vez, porque, além de aprovar no vestibular, a escola tem função social”, ressalta Vinícius. “A gente vai ensinar para o aluno o que é cidadania. É preciso mostrar o dia a dia da sociedade para o aluno.”

O perfil dos estudantes é bastante diversificado, variando de filhos de comerciantes a servidores públicos e produtores rurais familiares, já que a cidade tem grande parte localizada em área rural. Muitos deles não conseguiam sequer se imaginar no universo do ensino superior, como relata Lamara Gabriela, aprovada em agronomia: “Eu praticamente vivia aqui dentro, vivia na escola. Eu tinha duas casas, a minha e a escola. Foi uma luta que eu achei que não ia conseguir vencer, porque a gente nunca acha que vai passar na UnB. ”

Assim como Lamara, vários outros estudantes se dedicaram à causa e, com o reforço dos professores, venceram essa limitação. Nada disso seria possível, garante o diretor, sem o apoio da comunidade escolar. “Todo mundo gosta muito da escola e luta por ela”, conclui. O que não falta, enfim, é interação entre estudantes e professores. E isso faz a diferença.

Depois da Graduação,vem a Pós-Graduação

Em um cenário de crise no mercado de trabalho, com demissões e cortes de gastos, é preciso sempre buscar maneiras de se manter competitivo, aprimorando habilidades e competências. Para isso, um bom diferencial de empregabilidade é ter uma pós-graduação, já que esses cursos possibilitam atualização constante e ampliam a rede de contatos.

Fazer uma pós, no entanto, é geralmente um investimento custoso e que demanda tempo. Mesmo assim, Luciane garante que o esforço vale a pena quando se tiver condições. “Diante da crise, sabemos que as pessoas tendem a evitar gastos. Cada pessoa precisa fazer as contas e refletir sobre suas possibilidades neste momento”, afirma a professora.Ela destaca a importância de se fazer um planejamento de vida e carreira adequado, que permita investir na qualificação profissional sempre que necessário – independentemente de se passar por um período de crise ou não. “Somado com atitudes, habilidade e experiências, o conhecimento é um ingrediente fundamental para manter a empregabilidade e alcançar novos patamares”, conta.